11
ago

“As coisas tendem a dar certo. Basta trabalhar, confiar e manter a calma”

O professor Diogo Moreira, que ensina Biologia para os alunos do Ensino Médio e Ciências para as turmas do 7º ano (vespertino) do Ensino Fundamental, tem se inspirado no lema “Trabalha e Confia”, escrito na bandeira do Espírito Santo, para manter a calma nesses tempos de pandemia.

Com um olhar otimista para as mudanças que vêm ocorrendo no mundo, ele também citou uma frase que ouviu de um tio quando ainda era criança. “Meu tio me disse: ‘Diogo, as coisas tendem a dar certo!’. Isso marcou a minha vida e, de fato, as coisas tendem a dar certo! Basta trabalhar, confiar e manter a calma”, afirmou o professor. Confira!

 

-Como tem sido a sua experiência com as aulas remotas?

O começo foi bem complicado, pois sou um aficionado por rotina e, com a mudança tão brusca na rotina, fiquei assustado. Uma coisa que me ajudou bastante é que tenho uma afinidade muito grande com o computador. Sou da geração que começou a ter internet na adolescência e, mesmo antes de ter internet, eu já tinha computadores. Eu gostava de abrir as máquinas e mexer com hardware e software.

Então, uma das coisas que aliviou o impacto dessa mudança de rotina foi exatamente o fato de que eu sabia que teria de voltar a me debruçar sobre o computador. Agora que a rotina já se ajustou e eu já tenho todos os meus dias organizados ficou só o lado bom que é mexer com o computador, algo que gosto desde criança.

 

-De que forma você planeja as aulas on-line?

O modo como planejo as aulas virtuais é o mesmo. Eu traço na minha agenda, normalmente aos domingos, quais serão os conteúdos que irei trabalhar com cada turma naquela semana. Mediante essa lista de conteúdos, eu estudo sobre os assuntos. Busco informações nos meus livros de Ensino Superior e também no Google Scholar, que é o lado acadêmico do Google, para saber se existem atualizações a respeito de algum conteúdo, pois a Biologia muda muito.

A partir daí, monto as minhas aulas no papel, do papel passo para os slides e, com base nos slides, elaboro as aulas gravadas. Antes de cada apresentação de slides, eu gravo um vídeo no qual faço uma introdução sobre o assunto que será estudado. Para enriquecer as aulas, também costumo incluir entrevistas com especialistas. Tenho muitos amigos pesquisadores em várias áreas da Biologia e faço pequenas entrevistas com alguns deles por meio de aplicativos de videoconferência.

 

-O que os alunos têm achado das aulas?

Eu sempre faço enquetes com os alunos para saber o que estão achando das aulas, pois sempre vislumbro a possibilidade de melhorar. Já fazia isso nas aulas presenciais e não está sendo diferente nas aulas remotas.

Agora, por exemplo, comecei a usar um aparelho de som diferente, que melhora a qualidade do áudio, mas que deixa o volume um pouco menor. Então, perguntei às turmas o que elas acharam. Até quando mudo a fonte usada na montagem dos textos dos slides eu pergunto a opinião deles. E tenho recebido um retorno bem positivo, os alunos têm gostado bastante das aulas.

Uma das enquetes que fiz há algum tempo com as turmas do Ensino Médio teve um resultado bem curioso. Perguntei aos alunos se eles estavam estudando mais ou menos durante a pandemia e, por incrível que pareça, a grande maioria disse que no sistema retomo está estudando mais horas em casa do que antes. Talvez o sistema presencial os deixe mais cansados. No sistema remoto eles já estão de frente para o computador e a apostila e ficam mais animados em resolver os exercícios. Os alunos têm dado respostas mais bem elaboradas, não só nas atividades avaliativas, mas também para as perguntas que faço durante as aulas. A vida tem dessas coisas. Às vezes, alguma situação que parece que será pior para nós, em algum aspecto pode ser melhor.

 

-Quais serão os seus maiores aprendizados com essa pandemia?

O maior aprendizado é saber manter a calma. É o que está escrito na bandeira do Espírito Santo. Eu sou mineiro e, quando me mudei para cá, a bandeira do Estado me trouxe essa mensagem. Nela está escrito: “Trabalha e Confia”. Estava muito estressado na época, pois era tudo muito novo para mim, e essa mensagem me ajudou. Nós passamos por esse susto trabalhando e confiando. Com trabalho e confiança, é possível manter a calma. E quando a gente mantém a calma, tudo flui naturalmente.

Lembro-me sempre de uma frase que um tio meu me disse quando eu era criança: “Diogo, as coisas tendem a dar certo!”. Isso marcou a minha vida e, de fato, as coisas tendem a dar certo! Basta trabalhar, confiar e manter a calma.

 

-Deixe a sua mensagem para os alunos e suas famílias.

Meus queridos, a vida de todos mudou. Mas mudanças nem sempre são negativas. E, mesmo quando é negativa, ela sempre vai ter um lado positivo. Certamente não retornaremos como estávamos antes. Possivelmente teremos um sistema hibrido, combinando aulas presenciais e remotas. Então, tudo que estamos aprendendo, todas as novas habilidades que estamos desenvolvendo não serão em vão.

Além disso, estamos dando mais valor à proximidade. Antes da pandemia, a gente não notava o quanto um abraço, um sorriso visto de perto, a ida à Escola, como tudo isso podia nos fazer falta. Agora estamos notando, vemos o quanto a distância dói. Mas, ao mesmo tempo, a distância nos ensina muito.

Se não fosse por vocês, pelo apoio das famílias e pela dedicação dos estudantes, o nosso trabalho não faria nenhum sentido. É exatamente pelas necessidades das famílias e dos alunos que nós, professores, somos motivados a seguir em frente. Esperamos continuar contando com vocês e saibam que estaremos sempre, mesmo que longe, ao lado de vocês para tudo que der e vier. Grande abraço e muito obrigado por tudo!


voltar